Fiz um texto pelo gpt3 sobre ficar velho demais para video games

Parágrafo original vem deste texto: original

Isso acontece às vezes. Um pensamento sombrio se insinua na parte de trás da minha cabeça: um dia, eu serei velho demais para vídeo games. Afinal, já se passaram cerca de 40 anos desde que eu joguei pela primeira vez uma moeda no arcade de Guerra Espacial em meu salão de jogos local. Os tempos mudaram, os jogos mudaram. E eu gosto de sentir que tenho acompanhado essas mudanças, nem que seja por pouco. Mas os olhos secos de longas horas no computador, as dores de cabeça, as dores nas mãos e nos pulsos — esses são alguns lembretes sombrios de que um dia, jogar jogos pode não ser mais possível.

Portanto, acho que é uma coisa boa que eu não esteja sozinho. Este é o destino de todos os jogadores, eventualmente: nossas habilidades não envelhecem, mas nossos corpos envelhecem. Alguns de nós simplesmente não querem admitir isso ainda.

Todos nós sabemos dos riscos físicos associados a sentar-se na frente de um computador por muito tempo. É mais do que apenas um túnel carpal, embora isso também seja um perigo real. Segundo a Clínica Mayo, "ficar sentado por longos períodos de tempo retarda o metabolismo dos lipídios e da glicose, o que pode levar à obesidade e a outros distúrbios". E um estudo do Centro Nacional de Informação Biotecnológica em Bethesda, Maryland, descobriu que "o comportamento sedentário tem sido associado a um risco maior de doenças cardiovasculares, obesidade, diabetes, câncer de cólon e mortalidade".

Estes estudos eram para funcionários de escritório, mas eu mesmo notei os efeitos. Eu não quero engordar e morrer, por isso tento fazer intervalos e andar por aí. Mas quantos jogos eu abandonei depois de jogar por algumas horas porque minhas costas doíam? Um monte. Eu adoraria jogar mais, mas se eu puder jogar apenas por algumas horas de cada vez, há muitas delas que eu nunca vou conseguir. E há o conflito geracional.

Há mais motivos para jogar videogames do que apenas ganhar. Os jogos são sobre a experiência. Os laços que você faz com amigos e estranhos em uma aventura compartilhada. A sensação de triunfo quando se supera um adversário difícil. A sensação de satisfação quando você vence um desafio difícil. Em resumo, os jogos são sobre a comunidade. E essa comunidade está ficando cada vez mais difícil de encontrar.

Quando eu era criança, jogar videogames significava ir a uma sala de jogos e brincar com outras pessoas. De vez em quando, eu tinha um amigo que tinha um console em casa, mas eu mesmo não tinha um até que eu fosse adulto. Por isso, cresci brincando com outras pessoas. E era divertido.

Hoje em dia, jogar videogames é uma experiência muito diferente. A grande maioria dos jogos é jogada em casa, sozinha. A única vez que eu jogo com outras pessoas é quando estou em uma convenção ou em algum outro evento de jogos. E mesmo assim, os jogos que jogamos são normalmente aqueles com os quais estou familiarizado. É raro que eu jogue um novo jogo com outra pessoa.

Há exceções, é claro. Joguei o Super Smash Bros para o Wii U com um amigo em uma festa, e me diverti muito. E joguei Minecraft com meus filhos por um tempo, também. Mas a maior parte dos meus jogos é feita sozinha.

Não é que eu não queira brincar com outras pessoas. É só que a maioria dos meus amigos está no mesmo barco. Todos que conheço que jogam videogames são mais velhos e todos nós temos famílias, carreiras e outras responsabilidades que nos impedem de jogar tanto quanto gostaríamos. Não temos tempo para o longo e lento processo de aprendizagem de um novo jogo.

E mesmo que tivéssemos, há o problema de encontrar pessoas com quem jogar. Não há mais lugares públicos onde os jogadores possam se reunir e jogar juntos. Os fliperamas desapareceram, e a maioria das lojas de jogos fecharam. O único lugar que conheço onde as pessoas podem se reunir para jogar juntos é em uma convenção, e mesmo assim, a maioria dos jogos são aqueles com os quais as pessoas já estão familiarizadas.

Não tenho certeza de qual é a solução. Não creio que haja uma. Mas sei que jogar videogames é muito mais divertido quando se está fazendo isso com outras pessoas. E espero que, algum dia, eu consiga encontrar o tempo e a oportunidade de fazer isso novamente. Para piorar a situação, jogo jogos com altos fatores rejogabilidade, como o Fortnite.

É fácil ser sugado para jogar o mesmo jogo uma e outra vez. E quando se está jogando com outras pessoas, é fácil ser pego na competição e esquecer de fazer pausas. É por isso que é importante lembrar de fazer pausas e manter-se hidratado. E se você começar a sentir alguma dor, é importante parar de brincar e descansar.

Também é importante lembrar que nem todos os jogos são para ser jogados por horas de cada vez. Alguns jogos devem ser jogados em pequenas, mas intensas sessões, e não há problema. É importante encontrar um equilíbrio que funcione para você.

E, finalmente, é importante lembrar que existem outras coisas na vida além dos videogames. É importante passar tempo com a família e os amigos, perseguir outros hobbies e cuidar de sua saúde. Os videogames devem fazer parte de sua vida, mas não devem ser a única coisa que você está fazendo.

Concluindo:

É importante lembrar que jogar videogames é muito mais divertido quando você está fazendo isso com outras pessoas. E espero que, algum dia, eu consiga encontrar o tempo e a oportunidade de fazer isso novamente. Também é importante lembrar que nem todos os jogos são para ser jogados por horas de cada vez. Alguns jogos são para ser jogados em breves rajadas, e não há problema. É importante encontrar um equilíbrio que funcione para você.

E, finalmente, é importante lembrar que existem outras coisas na vida além dos videogames. É importante passar tempo com a família e os amigos, perseguir outros hobbies e cuidar de sua saúde. Os videogames devem fazer parte de sua vida, mas não devem ser a única coisa que você está fazendo.


Agora sou eu

Em 19 de agosto de 2022 acabei DOOM 2016. Planejo acabar o DOOM eternal agora, mas não acho que foi assim tão frenético. Quer dizer, The Ascent, jogos de twin-stick shooter onde se controla com uma mão a direção do tiro e com a outra a movimentação - assim como Ruiner, foram bem mais desafiantes. Claro que um dia eu vou ficar velho demais para jogar - assim como se fica, geralmente, velho demais para qualquer coisa - andar de bicicleta e ler livros sem óculos. Isso não é motivo para temer a velhice senão para melhor aproveitar a juventude. Jogar jogos melhores, andar de bicicleta mesmo naqueles dias em que a preguiça tá falando mais alto. Ficar muito velho para jogar vai depender mais dos jogos do que de mim; com dificuldades ajustaveis é bem possível que eu possa jogar qualquer jogoq uando estiver velho, conquanto tenha um modo easy; jogos eletrônicos são ainda mais adaptáveis do que esportes ao ar livre. Videogames, assim como música, podem ser até terapias para memória e reconhecimento - e estou certo que há peesquisas indo nessa direção agora mesmo. Além disso video games ajudam em socialização, a criar amigos e comunidades, outro ponto positivo para os velhinhos, muitas vezes relegados ao esquecimento. Não, não acho que games se tornam impossíveis à medida que se tornaos mais velhos, mas apenas aqueles jogos que não podem ser ajustados, e para quem os jogos são desafios a serem superados mais do que processos a serem vividos.

← Previous
Crie Um Blog Você Também
Next →
Thoughts? Leave a comment