Porquê eu prefiro esperar ainda que adore saber das novidades

Adendo ao texto “um comentário sobre a era da informação”"

RESUMO: Neste texto, o autor faz uma reflexão sobre a era da informação e o impacto da hiperinformação nas redes sociais. Ele discute a superficialidade da opinião pública e a tendência de seguir especialistas e figuras de destaque, mesmo que suas opiniões sejam falsas ou enganosas. O autor critica o culto a pessoas como Olavo de Carvalho, que usa palavras rebuscadas para parecer diferente, mas não oferece profundidade ou sinceridade. Ele também menciona a guinada de direita no Brasil, questionando se o medo de se tornar a nova Venezuela levou à ascensão dessa extrema direita. O autor conclui sugerindo a ideia de uma moeda única para o Brasil e a Argentina, destacando a importância de compartilhar não apenas dinheiro, mas também ideias entre os países.

Nunca acredite no hype. Coisas boas levam tempo. Como saber que algo é realmente bom? Pois como dizia Aristóteles já há 350 anos antes de Cristo:

O bem, para o homem, é o exercício ativo das faculdades de sua alma em conformidade com a excelência ou a virtude… Além disso, essa atividade deve estender-se por toda a vida; pois uma andorinha só não faz verão, nem o faz um único dia de sol.

Deduz-se daí que nunca devemos chamar o homem de bom pelos seus atos externos, mas pelo seu caráter. E avançando um pouco mais podemos concluir que muito cedo chamamos aquilo que parece bom de bom. Muito cedo chamamos uma pessoa ou uma obra e as pessoas que fizeram a obra como boas; inversamente, muitas vezes, chamamos algo de mal ou ruim precocemente. Aristóteles diria que medir o caráter de qualquer coisa que seja não é tarefa fácil nem rápida. Mas, aí vai a dica, onde estiver a justa-medida, aí estará a virtude:

A virtude, então, é um estado de caráter concernente à escolha, reside no meio-termo que é definido tendo-se a razão como referência. É um meio-termo entre dois vícios, um de excesso e outro de deficiência; e, de novo, é um meio-termo porque os vícios respectivamente excedem ou ficam aquém do que é correto tanto nas ações quanto nas paixões, ao passo que a virtude encontra e escolhe o que é intermediário.

Hoje dizemos que uma coisa é boa se ela é bem projetada, se tem bons materiais, se se encontra bem arranjada em seus diversos componentes; é uma análise pós revolução científica que já se tornou intuitiva para nós. Porém não foi sempre assim que foi feito e é por isso que conhecer a filosofia clássica sempre é uma boa ideia.

Para eles, [os filósofos da antiga Grécia,] a preocupação principal eram a natureza e o cultivo de um caráter bom; a questão principal não era “Qual a coisa certa a fazer (em tais e tais circunstâncias)?”, e sim “Qual o melhor modo de se viver?”. Dupré, Ben. 50 ideias de Filosofia (Coleção 50 ideias) . Planeta

Isso porque hoje temos a tecnologia que aproxima e converge a opinião das pessoas e cria uma aparente e ilusória maioria consensual; e nem só de Fake News ou hashtags subidas por bots que estamos falando aqui, mas da opinião de centenas de “especialistas” que pipocam aqui e ali; estamos falando da leitura rasa da realidade que o uso de redes sociais em excesso pode e provoca.

E que especialistas. Um tópico no Quora ou no Reddit os atrai como banana atrai moscas; muito me surpreende que agora até os grupos de Whatsapp estejam cheios disso também; incomoda, dá trabalho ficar lendo e averiguando, mas mesmo assim eu celebro isso porque, afinal, é o que desejamos em uma sociedade ilustrada e científica, certo? De anti-intelectualista já bastaria a nova direita conservadora brasileira, certo?

Mas, e quando eles, a nova direita extrema, são os maiores beneficiados desta onda de hiperinformação? Quer dizer, não falo de hashtags que de tão falsas sobem com erros de português no TT do Twitter e por lá ficam. Tampouco de vídeos em alta no youtube que só estão lá porque hackeiam os algoritmos que dão pertinência para política; falo, entre outras coisas, do cultismo à figura de um charlatão como o Olavo de Carvalho cuja falsidade é tão difícil de desmascarar quanto é a capacidade de alguém de abrir um livro.

Não tenho nada contra ele nunca ter se formado em uma faculdade, muitos gênios nunca fizeram. Nem me importa que ele brinque com a opinião pública quando flerta com o terraplanismo só para depois voltar atrás e o chamar de figura de linguagem — é o que os charlatões fazem. O que me incomoda de verdade é que ele não é nem profundo nem verdadeiro — é apenas mais um homem tóxico com acesso a internet — que usa de palavras rebuscadas para ser diferente.

Capilla del Monte, Argentina 2018

Dito isso, lembremos que o presidente no seu acesso ao vivo quando assumiu a presidência tinha consigo sobre a mesa apenas uma Bíblia, uma Constituição e um livro do Olavo de Carvalho (conta a favor dele não haver uma 765, talvez aguardando a próxima live em 2020); a mensagem não poderia ser mais clara: o anti-intelectualismo, o conservadorismo e a extrema direita que Olavo de Carvalho representa tinham chegado ao poder. Era um caminho sem volta para o escritor que não iria nunca ser estudado nas escolas como filósofo, mas sim ele mesmo como matéria de história. O projeto de poder submetendo o projeto intelectual.

O Brasil passa pela guinada de direita e o brasileiro pelo sonho do milagre econômico. Eu entre eles, que poderia muito bem passar por um esquerdista de iphone; entendo que as causas do estado de coisas no Brasil hoje são bem claras— toda revolução leva à uma opressão maior e mais contundente — e não, ninguém quer se tornar uma nova Venezuela, mas, aí está a pegadinha, até que ponto o medo de se tornar a nova Venezuela não é responsável pela guinada de direita extrema que nós tomamos? Países e economias se recuperam, mas o barulho da campanha estava alto demais para nos deixar pensar. A democracia depende de um eleitorado esclarecido para ser saudável, mas como lidar com um país que não conhece a si mesmo, ou de pessoas que não sabem quem são ou de onde vieram? Sem querer correr o risco de parecer repetitivo ou atrasado, onde está o “País do Futuro” que nos foi prometido?

Capilla del Monte, Argentina 2018

Aí que entra o hype da última semana: uma moeda única para o Brasil e para a Argentina. A piada geral do Peso Muerto é realmente hilária, mas, para dar uma de charlatalho aqui vou dizer que isso também é uma figura de linguagem, um mito, uma nova ideia; o BC já rechaçou a ideia como mais um disparate do Presidente, mas tenho aberto aqui do meu lado um livro de economia que aponta que a máxima de Friedman é quem está por trás destes disparates: “os governos devem se restringir a controlar a oferta e demanda de moeda”. Isso porquê a moeda deve crescer a uma taxa modesta e constante — a economia não gosta de saltos disruptivos.

Eu sou a favor da moeda, Sr. Presidente. E que com ela possamos finalmente estar mais próximos de nossos vizinhos e quem sabe adotar uma segunda língua de fato. Mais do que isso, vamos cotar nosso dinheiro no valor que hoje têm a literatura de Borges, ou da política (para não fica só na Argentina) do Mujica; vamos cotar nosso novo pesinho/real com o valor do tango tanto quanto o do samba, da escolaridade universitária massiva da Argentina, da política de redução de danos contra as drogas que o Uruguai utiliza, porque não apenas o dinheiro tem que circular, as ideias também; vamos cotar nossa nova moeda com os prêmios nobel deles e com as nossas copas do mundo; com a consciência que eles têm da ditadura que nós nem sonhamos; com a nossa incrível capacidade de fazer piada de nós mesmos, por que não? Bolsonaro, aquele gênio injustiçado, um mártir da democracia.

← Previous
Crie Um Blog Você Também
Next →
Thoughts? Leave a comment

Comments
  1. filosofo do futuro — Dec 31, 2023:

    A abordagem do autor em relação à influência da hiperinformação nas redes sociais é perspicaz e direta. Ele evidencia a superficialidade presente e a propensão a seguir especialistas de maneira acrítica, mesmo quando suas opiniões são falsas ou enganosas. A crítica ao culto a figuras como Olavo de Carvalho é fundamentada, ressaltando a falta de profundidade e sinceridade. Além disso, há uma análise do contexto político brasileiro, questionando se o receio de uma transformação à semelhança da Venezuela contribuiu para a ascensão da direita no país. A proposta de uma moeda única para Brasil e Argentina é intrigante, revelando uma perspectiva de integração e compartilhamento de ideias entre as nações.